Link de exemplo

Voltar para Notícias

Tutela Coletiva e Cível

Escuta Social define ações prioritárias em prol do idoso em Araraquara

Iniciativa do MP idêntica necessidades para a adoção de políticas públicas

O Ministério Público, por meio da Promotoria de Justiça do Idoso de Araraquara, em parceria com o Departamento de Gerontologia da Universidade Federal de São Carlos – Grupo de Pesquisa Direito, Cidade e Envelhecimento e o Conselho Municipal do Idoso, realizou, no último dia 10, a terceira e última etapa da Escuta Social com o objetivo de colher subsídios para a construção de políticas públicas para pessoas idosas no Município.

Público ouve explanação durante a Escuta Social em Araraquara

O evento contou com a participação da Promotora de Justiça de Araraquara Noemi Correa, e da Coordenadora da Área do Idoso do Centro de Apoio Operacional Cível e de Tutela Coletiva (CAO-Cível), Promotora de Justiça Maricelma Rita Meleiro.

Durante o evento a Dra. Sandra Cristina Coelho Teixeira, do Programa de Acompanhamento de Idosos do Município de São Paulo, falou sobre a experiência paulistana, um projeto em prol do envelhecimento ativo, com a finalidade de oferecer acompanhamento domiciliar e de apoio às atividades de vida diária, por meio de ações de cuidado e suporte a idosos em situação de dependência, de promover ações de cuidados e suporte aos familiares e/ou cuidadores, autonomia e a independência do idoso, integração social, e de ampliar o acesso do idoso aos serviços de saúde pública, melhorando a qualidade de vida e evitando ou postergando a institucionalização dos idosos.

A Coordenadora da Área do Idoso do CAO Cível, Maricelma Rita Meleiro, considerou positivo no Município de Araraquara a existência de um Conselho Municipal do Idoso que permite atos normativos a respeito de políticas públicas e que conta com um Fundo Municipal instituído, permitindo que o Conselho identifique demandas apresentadas pela sociedade e determine prioridades doações a serem financiadas com tais recursos.

A Professora Marisa Silvana Zazzetta, da UFSCar, fez uma síntese das reflexões realizadas desde a primeira reunião da Escuta Social, em março, e reforçou a importância da atuação de cada um para tornar as políticas públicas mais efetivas. Foram apontados os aspectos trazidos como prioridades pela Escuta: fortalecimento dos vínculos familiares, diminuição de obstáculos, vizinhanças seguras, apoio comunitário, participação de idosos em trabalho voluntário ou remunerado, intersetorialidade, recursos alternativos à institucionalização, e multidimensionalidade do processo de envelhecimento.

Os participantes escolheram, por meio de votação, o tema “Apoio à família e como trabalhar a família no serviço” como diretriz prioritária para iniciar o trabalho a ser feito pelos organizadores, em parceria com a Rede Social, articulada pelo SENAC. Também ficou decidida a criação de um Fórum Permanente de Discussão, por meio da Rede Social de Araraquara.