Link de exemplo

Voltar para Notícias

Criminal

MP denuncia 2 PMs e 2 civis por chacina que deixou 7 mortos em Carapicuíba

O Ministério Público ofereceu denúncia (acusação formal) à Justiça contra os Policiais Militares Decleres de Andrade e Osvaldo da Silva Pinto Júnior, e contra Jonathan Carlos dos Santos e Isaias Bento de Melo Rodrigues, como autores da chacina que deixou sete mortos e vários feridos, na madrugada de 26 de julho, em Carapicuíba, na Grande São Paulo.

Os quatro são acusados de integrar uma milícia que matou a tiros Gabriel dos Anjos Alves de Freitas, Adão Candido de Lima, Bruno Rogerio Lopes Quintino, Simone Vieira Lourenço (grávida de 3 meses), Gileno Oliveira da Silva, Cicero Farias da Silva Filho e Cristiano José Vieira. Outras quatro pessoas - Jonas Ricardo de Freitas, Manoel Ferreira de Souza, Gilmar Aparecido dos Santos e Gabriel dos Anjos Alves de Freitas – sobreviveram aos ataques do grupo.

De acordo com a denúncia, oferecidas pelas Promotoras de Justiça Sandra Reimberg, Fernanda Priscilla Bergamaschi Moretti, Camila Moura e Silva, o grupo liderado pelo PM Decleres de Andrade oferecia serviço de segurança particular a estabelecimentos comerciais em diversos bairros de Carapicuíba. O serviço englobava a prevenção a crimes contra esses estabelecimentos e a sua repressão, o que era feito pelos dois Policiais Militares e também por civis.

Ainda segundo a denúncia, os integrantes do grupo “passaram a extrapolar os limites da segurança privada para exercer verdadeira atividade de organização paramilitar, milícia particular, grupo e esquadrão, dispostos a praticar crimes em nome da segurança, especialmente crimes de homicídio”.

O grupo decidiu vingar alguns roubos praticados contra o comércio de Carapicuíba e a morte do PM Adailton da Silva Souza, ocorrido na madrugada de 19 de julho, na favela do CSU. Assim, segundo a denúncia, na madrugada de 26 de julho atiraram contra 11 pessoas, em bairros como Vila Loures, Cidade Ariston e Cohab II. Sete das vitimas morreram e outras quatro ficaram feridas.

Os dois PMs e os dois civis foram denunciados por 7 homicídios duplamente qualificados (motivo torpe e recurso que dificultou a defesa das vítimas) e 4 tentativas de homicídio.