Link de exemplo

Voltar para Notícias

Criminal

Projeto do MP-SP leva educação sobre violência contra a mulher às escolas de Taboão da Serra

Iniciativa envolverá 4.000 alunos da rede estadual de ensino

O Ministério Público do Estado de São Paulo colocou em prática, no final de abril, um projeto de prevenção da violência doméstica nas escolas, desenvolvido em parceria com a Diretoria Regional de Ensino de Taboão da Serra, com o objetivo de conscientizar os adolescentes daquele município sobre a violência de gênero e todas as formas de violência contra a mulher, abordando, ainda aspectos da Lei Maria da Penha.

O Projeto Educa-Ação está sendo desenvolvido em oito escolas estaduais de Taboão da Serra, por meio de um ciclo de debates e palestras envolvendo aproximadamente 4.000 alunos, que também receberão exemplares da cartilha “Mulher Vire a Página”, editada pelo Grupo de Enfrentamento à Violência Doméstica (GEVID), do MP-SP.

De acordo com a Promotora de Justiça Maria Gabriela Prado Manssur, idealizadora da iniciativa, o projeto nasceu da necessidade de abordagem do tema nas escolas, em especial entre os alunos do ensino médio, que já estão iniciando seus primeiros relacionamentos e, por vezes, convivem com situações de violência dentro de seus lares.

“O Projeto Educa-Ação visa contribuir para a conscientização de adolescentes que estão iniciando seus relacionamentos amorosos a respeitarem-se mutuamente e contribuir para a formação de uma nova cultura na qual homens e mulheres são iguais perante a lei, com os mesmos direitos e deveres”, explica a Promotora, coordenadora do Núcleo Grande São Paulo II do GEVID. Segundo ela, a disseminação de noções básicas sobre todas as formas de violência contra a mulher e as consequências da violação das normas pode contribuir para a prevenção da violência.

“Vamos apresentar aos adolescentes o trabalho e a dinâmica da Rede de enfretamento contra a violência doméstica e familiar contra a mulher, em especial, os serviços e equipamentos que estão à disposição de eventuais vítimas dessa violência, como garantia do acesso aos direitos previstos na Lei Maria da Penha”, complementa.

O Projeto será desenvolvido nas escolas Francisco Vicente Lopes Gonçalves, Denoel Nicodemos Eller, Gilberto Freire, Jardim São Luiz II, Laert de Almeida São Bernardo, Laurita Ortega Mari, Maria Apparecida Nigro Gava e Neusa Demétrio.
Depois das exposições e debates, os alunos participantes do Projeto desenvolverão trabalhos sobre o tema. As três melhores redações e os três melhores desenhos de cada escola serão premiados.