Link de exemplo

Voltar para Notícias

Ícone da categoria criminal
Criminal

PLID do MP-SP participa de audiência pública da Comissão Municipal da Verdade

Evento discutiu papel das instituições na identificação de corpos

O Ministério Público do Estado de São Paulo participou, nesta terça-feira (13/5), da audiência pública da Comissão da Verdade Vladimir Herzog, instalada na Câmara Municipal de São Paulo. O evento abordou o papel das instituições públicas no procedimento de identificação de corpos e a busca das famílias.

A abertura do evento foi feita pelo Presidente da mesa, Vereador Gilberto Natalini, que ressaltou a importância do esclarecimento do processo de identificação de copos e apoio às famílias para o trabalho da Comissão da Verdade e pelo Vereador Rubens Calvo.

A mesa foi composta pela Promotora de Justiça Eliana Faleiros Vendramini Carneiro, Coordenadora do PLID no MP-SP; pelo Secretário Municipal de Direitos Humanos, Rogério Sottili; pelos Vereadores Ricardo Young e Juliana Cardoso, além da ex-vereadora Teresa Lajolo. Participaram também Carlos Augusto Pasqualucci, Vice-presidente do Serviço de Verificação de Óbitos da Capital (SVOC); Lúcia Salles França Pinto, Superintendente do Serviço Funerário Municipal e o Padre Júlio Lancelotti, da Pastoral de Rua.

Promotora de Justiça Eliana Vendramini debate o assunto durante o evento

Durante o evento, o Programa de Localização de Desaparecidos (PLID) do Ministério Público foi destaque. Os debatedores elogiaram o trabalho pioneiro do Programa em São Paulo. O MP-SP aderiu ao PLID em 6 novembro do ano passado e já localizou 39 desaparecidos, além de fazer o atendimento às famílias.

“Nós queremos mudar essa realidade, os órgãos que trabalham com a identificação de corpos precisam cruzar os dados. Por isso o Ministério Público propôs a criação de um banco de dados datiloscópicos para desaparecidos”, afirmou a Promotora.

A audiência foi aberta ao público e contou com a presença de Vereadores, Estudantes, Cidadãos, Jornalistas, Funcionários Públicos, além de outros representantes do Poder Público.

O PLID permitiu ao MP-SP identificar que pessoas registradas como desaparecidas na capital estavam mortas e foram sepultadas como 'não reclamadas' no SVOC.

Saiba mais sobre o PLID clicando aqui.